Comunidades sustentáveis: o contributo do projeto Green Grease

Como forma de contribuir para um futuro mais sustentável, em 2015, foram definidos os 17 objetivos do Desenvolvimento Sustentável que prevê uma colaboração entre os governos e os cidadãos a nível mundial.

Depois de abordarmos a importância da inovação de que forma o Green Grease se relaciona com este tema, vamos falar de comunidades sustentáveis, uma temática que faz parte dos objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

O que são comunidades sustentáveis? Quais são os planos de ação do objetivo número 11 “Cidades e Comunidades Sustentáveis”? E de que forma o projeto Green Grease contribui para ajudar nesta iniciativa?

A importância das Comunidades Sustentáveis

Uma mudança ao nível da sustentabilidade global ao mesmo tempo que melhora o ambiente urbano são alguns dos valores das Comunidades Sustentáveis.

De acordo com John Egan as Comunidades Sustentáveis podem ser definidas como comunidades que têm em conta as necessidades presentes e futuras das pessoas que nelas vivem contribuindo para um aumento da qualidade de vida, tendo em conta o uso consciente dos recursos naturais, a coesão social e a prosperidade económica.

Deste modo, pode-se afirmar que as comunidades sustentáveis para além de melhorarem o ambiente também promovem sociedades mais humanas (Jeffrey C. Bridger and A.E. Luloff).

Uma vez que as cidades e comunidades são lugares sociais e culturais, o processo de construção de Comunidades Sustentáveis pode estar relacionado com uma questão sociocultural (Duxbury & Jeannotte) em que estão em destaque:

  • Envolvimento positivo com uma diversidade cultural;
  • Abertura ao nível do pensamento e dos territórios;
  • Relevância do diálogo para a coesão social;
  • Resiliência e bem-estar.

Voltando à visão de John Egan: o autor apresenta vários componentes que são essenciais para planear e manter uma comunidade sustentável.

Gráfico de John Egan que refere os componentes de uma comunidade sustentávelFonte: Skills for Sustainable Communities

Tanto a definição como estes componentes referidos acima parecer ser, de acordo com John Egan, importante para a definição de um “objetivo comum” compreendido por todas as partes envolvidas e que possa ajudar a:

  • Garantir a adesão eficaz das políticas para que estas possam ter em conta a segurança, limpeza e prosperidade das comunidades;
  • Identificar componentes essenciais em novos desenvolvimentos;
  • Obter uma base a partir da qual várias habilidades podem ser desenvolvidas;
  • Delegação de responsabilidades relacionadas com desempenho do governo nacional para o local.

Qual o contributo do Green Grease neste tema?

Sabe que, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, em 2050 cerca de 6,5 mil milhões de pessoas viverão em zonas urbanas? É por isso que o ponto 11 dos objetivos do Desenvolvimento Sustentável assume um papel muito importante, ao nível da gestão e planeamento.

“As cidades ocupam apenas 3% da terra, mas são responsáveis ​​por 60% a 80% do consumo de energia e pelo menos 70% das emissões de carbono.” – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Evita a poluição da água

Até 2030, este objetivo do Desenvolvimento Sustentável prevê reduzir, entre vários outros problemas reais, as catástrofes relacionadas com a água. Todos os parceiros Green Grease comprometem-se, de forma indireta, a reduzir a poluição deste recurso natural. Mas como?

Portugal produz um resíduo bastante abundante em Portugal – o óleo alimentar usado – em que basta 1L para poder contaminar mil milhões de litros de água. Para evitar esta poluição a EcoX criou o programa Green Grease dedicado ao setor profissional que permite aos seus parceiros fornecerem este resíduo através de entidades reguladas para o recolherem.

Posteriormente, o óleo é transformado em detergentes ecológicos que serão fornecidos a preços competitivos a todos os parceiros envolvidos neste processo de inovação e economia circular.

Reduz o impacto ambiental

Outros dos objetivos é “até 2030, reduzir o impacto ambiental negativo per capita nas cidades, inclusive prestando especial atenção à qualidade do ar, gestão de resíduos municipais e outros.”.

A valorização do óleo alimentar usado evita ainda um impacto ambiental ao nível do clima e dos solos, uma vez que este resíduo não só poluir o lençol freático e prejudicar o crescimento das plantas como também leva à formação de um dos gases do efeito de estufa (gás metano) durante a sua decomposição.

O impacto de não existir uma utilização de matérias-primas faz também com que não sejam emitidas tantas emissões de CO2.

E desse lado? Pronto para tornar a sua comunidade mais sustentável marcando a diferença?



Scroll Up